Conecte-se!
Facebook Feed MSN Group Twitter
Últimos assuntos
» Desistiram?
Sab Out 06, 2012 7:01 am por Convidado

» Capítulo 67 e Todos outros
Seg Jun 18, 2012 10:22 am por Tatsuya

» Capítulo 66 [+18]
Qui Jun 14, 2012 9:25 am por Tatsuya

» Capítulo 65 [+18]
Ter Jun 12, 2012 7:01 pm por Day-chan

» Capítulo 64 [+18]
Dom Jun 10, 2012 3:37 pm por Day-chan

» Capítulo 61 [+18]
Dom Jun 10, 2012 3:27 pm por Day-chan

» Capítulo 63 [+18]
Dom Jun 10, 2012 3:27 pm por Day-chan

» Capítulo 62 [+18]
Seg Jun 04, 2012 7:08 am por Tatsuya

» Capítulo 59 [+18]
Sab Jun 02, 2012 8:23 pm por Day-chan

» o Button do Fórum
Qui Maio 31, 2012 7:06 am por Tatsuya

Votação

Capítulo 50[+18]

Ir em baixo

Capítulo 50[+18]

Mensagem por Tatsuya em Seg Maio 07, 2012 6:47 am

Rebeca observou decepcionada e angustiada, porque diante daquilo, Esther perdera seu cargo de presidente da fraternidade, com o risco de ser até mesma banida da Gama-Tau. Enquanto as amigas afastavam a morena para seu quarto, Ellen levantou-se ajeitou seus cabelos e disse em voz alta:

-- Estão levando ela pra onde? Aquele quarto pertence à presidente da Gama-Tau, coisa que Esther acabou de deixar de ser...

Ellen gargalhou mesmo com as dores da surra que acabara de levar. Rebeca então interveio:

-- Esther me espere na biblioteca, por favor, as meninas do conselho me acompanhem. E Ellen, quem decide quem é ou deixa de ser algo na Gama-Tau não é você, e seu comportamento também será alvo de investigação.

Na biblioteca o clima era tenso, Esther sentada em uma poltrona com as mãos entre os cabelos, de cabeça baixa, balançando um dos pés, enquanto Rachel andava de um lado para o outro resmungando: “Eu avisei... Tantas vezes avisei!”. As outras meninas igualmente tensas, mas em silêncio, enquanto Rebeca cochichava algo com Meredith no canto da sala.

-- Esther, você tem ciência do que fez? Num momento como esses de crise que estamos passando, você se descontrolar dessa forma e nos colocar na situação que obriga a destituir você do cargo de presidente da fraternidade? -- exortou Rebeca num tom claro de decepção.

-- Mas Srta. Travis, a Ellen sempre provocou Esther e dessa vez armou para separar Amy dela, isso não é justo! -- retrucou Rachel nervosa.

-- Rachel, isso pode até ser verdade, mas não podemos ignorar o que houve aqui. Vamos investigar Ellen, apurar se ela teve culpa nesse incidente com Esther. Até lá, a Gama-Tau ficará sob intervenção nacional. Esther, você tem que deixar o quarto da presidência, pode permanecer na casa até investigarmos os fatos, está proibida de se aproximar de Ellen, pegue suas coisas e fique no quarto com alguma veterana. Depois da apuração dos fatos, decidiremos se Ellen e você podem continuar na fraternidade, e convocaremos novas eleições para presidência -- disse Rebeca de forma bastante incisiva.

As meninas do conselho se entreolharam tristes, mas compreenderam que diante da circunstância não podia ser feita outra coisa. Esther não disse uma só palavra, permaneceu na mesma posição, até Rachel se aproximar quando Rebeca e Meredith deixaram a biblioteca para comunicar a situação às demais irmãs gama.

-- Amiga, por que você não me escutou? Tantas vezes alertei você...

-- Rach... Eu não me importo com a presidência da Gama-Tau, só uma coisa me interessa nesse momento: provar à Amy que isso foi uma armação e tê-la de volta. Você tem noção do que estou sentindo? Minha namorada está lá no hospital, numa UTI, quase morreu por minha causa e está me odiando, certa de que a traí! Estou me lixando pra esse cargo, estou no meu último ano de universidade, em poucos meses teria mesmo que entregar o cargo... Só ficarei nessa casa até conseguir provas de que Ellen e Vanessa armaram pra mim. Depois, me mudo pra casa de meu avô, porque se eu ficar mais tempo nessa casa, mato Ellen e Vanessa numa surra só!

-- Vamos te ajudar a provar sua inocência. Agora vamos pegar suas coisas, você fica no meu quarto, e vou ficar no quarto com Nicole.

-- Preciso saber como Amy está, Rachel...

Nesse momento, Laurel entrou na biblioteca e avisou:

-- Estou indo ao hospital, Esther. Vou tentar falar com Amy, não se preocupe.

No hospital, Laurel já encontrou Amy acomodada em um quarto privativo, não mais na terapia intensiva. Ao ver a amiga, Amy abriu um largo sorriso sincero:

-- Laurel! Vem cá vermelhinha!

A ruiva sorriu e abraçou a amiga com cuidado. Enquanto Peter e Sandra saíram para comer algo, deixaram as amigas à vontade para conversar.

-- Como você está, loirinha?

-- Meu corpo inteiro dói, Laurel, mas o que me dói mais é a lembrança do que vi no quarto de Esther.

-- Amy... Não é o melhor momento para falar nisso, mas essa história está me cheirando à armação das grossas. Na verdade, tenho certeza disso.

-- Armação? Tenha paciência, Laurel! Você mesma já me disse que Esther não levava nenhuma mulher a sério, vivia pegando meninas...

-- E é verdade, mas Esther era assim até te conhecer... Olha Amy, quando você raciocinar direito, vai notar que estava tudo estranho demais. Nós tentamos acordar Esther de todas as formas e não conseguimos, Rebeca acha que ela foi drogada. Você acha mesmo que se Esther fosse te trair faria isso na cama dela enquanto deixou recado pra que você subisse?

Com essa observação de Laurel, Amy ficou pensativa, lembrando que sua namorada tinha sono leve, e sequer se mexeu quando Vanessa falou surpresa o seu nome. Mesmo assim, não queria falar com Esther, queria um tempo para digerir essa história, e pediu que Laurel desse o recado a ela. A ruiva não teve coragem de contar o que havia acontecido mais cedo na mansão, isso com certeza preocuparia demais Amy que ainda estava fragilizada pelo acidente.

E como desgraça nunca vem sozinha, Michelle voltou a importunar Esther, exigindo que a morena a encontrasse na sua casa de praia. Apesar de destruída interiormente, Esther relutou, mas acabou por concordar em encontrá-la, porque ainda desejava descobrir todo envolvimento de Michelle com o passado de sua mãe e Sandra.

Chegou à casa de praia de Michelle na hora que ela marcou.

-- Gosto de você assim: obediente, pontual... Então sua namoradinha já bateu as botas?

-- Amy está bem, já saiu da UTI, mas acho que isso não te interessa, não é?

-- Claro que me interessa... E como está aquela chata da Rebeca? Soube que ela anda zanzando pelo campus...

-- Qual o seu problema hoje? Chamou-me aqui para conversar? Saber das últimas fofocas de Prescott?

-- Retribuindo seu gesto do nosso último encontro... Você pareceu gostar de conversar enquanto me embebedava, não é minha cadelinha?

-- Não sei do que você está falando...

-- Ora, Esther, não insulte minha inteligência! Você sabe do que sou capaz... Não me desafie! Porque posso sem muito esforço providenciar para que sua namoradinha não escape de um próximo acidente...

-- Não se aproxime da Amy! Você não sabe do que sou capaz, Michelle!

-- Nossa, tanto vigor para proteger a loirinha que nem te quer mais... Quando você vai perceber que você é minha pra sempre? E que só eu aceito esse seu caráter de vadia?

Michelle se aproximou de Esther enquanto falava arrancando suas roupas e a empurrando para o sofá. Beijou os lábios de Esther com a voracidade de animal feroz sugando e mordendo aquela boca carnuda. Apertou os seios da morena que não demonstrava qualquer prazer, até Michelle introduzir os dedos no seu sexo alternando entre movimentos fortes e rápidos. Sentindo a umidade tomar de conta da cavidade de Esther, desceu com sua boca até seu sexo, ordenando:

-- Goza na minha boca, minha vadia...

Penetrou dedos e língua ao mesmo tempo se deliciando no líquido quente que emanava do corpo da morena que lutava para evitar sentir prazer com aquela mulher. Queria repudiá-la, mas não podia. Enquanto travava uma luta com seu próprio corpo, interrogava-se sobre como Michelle tinha tantas informações sobre o que se passava na Gama-Tau. Viu que era hora de lançar suas armas para descobrir o que Michelle mais escondia.

Puxou a cabeça de Michelle pelos cabelos até sua boca, ela sabia o quão doente eram os gostos daquela mulher, mordeu seus lábios, enquanto a despia com violência. Penetrou um dedo no sexo de Michelle e outro no ânus ao mesmo tempo após colocá-la sentada entre suas pernas, estocando com força no interior do corpo daquela mulher, que se contorcia de prazer. Deixou Michelle sem forças, jogada no sofá com seu corpo dolorido e levantou-se, caminhou até o bar. Serviu-se de uma dose de vodka e trouxe outra para Michelle dizendo:

-- Já cansou?

Michelle tomou a dose de bebida inteira num gole só e respondeu ainda ofegante:

-- Acabou comigo, hein... Mas claro que não me cansei de você. Sirva-me outra dose.

Esther sabia que bastava atiçar que logo Michelle se empolgava com a bebida, e era assim que ela ia obter mais informações. Serviu mais algumas doses, enquanto provocava-lhe roçando seu corpo nu no corpo de Michelle, até sentir que o álcool já fazia o efeito para ela esperado, então perguntou, com voz sedutora:

-- Então, Michelle, como você sabe tanto o que acontece na Gama-Tau? Tem alguém seu me espionando por lá, não tem?

-- Ora, minha morena... Investi muito alto em você para não ter minhas garantias... Lógico que há alguém trabalhando para mim lá.

-- Você me considera um investimento? Hum... Mas pro dinheiro que você tem, nem foi tanto dinheiro assim que gastou comigo.

-- Não estou falando só de dinheiro, falo de tempo, empenho para achar você...

-- Por que você me procurava, afinal? Com tantas meninas bonitas que você poderia ter, por que me procurou?

- Porque eu queria você, ter você é como consertar o passado, ter o que não consegui no passado...

Quando enfim Esther chegou ao ponto que queria na conversa, falar do passado de Michelle, o telefone da casa tocou, fato incomum. A própria Michelle se surpreendeu, e atendeu nervosa:

-- Alô. Mas você não chegava só amanhã? Calma, estou indo para casa.

-- Aconteceu alguma coisa Michelle?

-- Aaron chegou antes de viagem, preciso ir para casa.

Michelle saiu tropeçando nas roupas, descabelada, gritando pelo nome de um dos seus seguranças, Esther sorria com a cena, se divertindo imaginando como ela explicaria para o marido seu estado. Saiu da casa de praia de Michelle com o intuito de ver Amy no hospital. Temendo que a loirinha se recusasse a recebê-la mais uma vez, desistiu e retornou a mansão da fraternidade.
avatar
Tatsuya
Admin
Admin

Mensagens : 888
Data de inscrição : 29/06/2011
Idade : 30
Localização : Curitiba-PR

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 50[+18]

Mensagem por Day-chan em Qua Maio 09, 2012 10:18 pm

Cenas fortes entre essa morena e a Michelle! Mas ainda prefiro o amor gentil entre Esther e a sua loirinha *-*
avatar
Day-chan
Staff Kouhai
Staff Kouhai

Mensagens : 184
Data de inscrição : 07/07/2011
Idade : 30
Localização : Sonhando com chocolates

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum